8 de março

Anarkia Boladona grafita o feminismo

Artista de rua é referência mundial no combate à violência contra a mulher

Grafiteira brasileira nascida e criada nos subúrbios do Rio de Janeiro, Panmela Castro ou Anarkia Boladona nasceu em 1981. Formada em pintura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sua arte tem influência da pichação, segmento habitualmente dominado por homens. 

Em 2008, Panmela cria o "Grafiteiras pela Lei Maria da Penha", projeto que usa o graffiti e a cultura urbana para combater a violência contra as mulheres. A partir daí, inicia, junto com outras grafiteiras brasileiras, campanha de conscientização sobre a recém-aprovada Lei Maria da Penha, novo instrumento legal que coíbe e pune a violência doméstica.

Junto com o grupo que se formou durante o projeto, Anarkia funda a Nami, rede feminista de artistas urbanas com o intuito de debater a situação da mulher na sociedade, realiza projetos sociais e usa a arte como instrumento de transformação cultural com foco no empoderamento feminino e na desconstrução do racismo. 

A arte de Boladona ganha o reconhecimento internacional, recebendo diversos prêmios pelos mundo, entre eles o Vital Voices Global Leadership Awards, na categoria de direitos humanos.