20 de setembro

País tem enfim um projeto alternativo

Getúlio propõe anistia, voto secreto e regulamentação do trabalho

Em resposta à decisão de Washington Luís, de lançar o paulista Júlio Prestes, os estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba, unidos na recém-formada Aliança Liberal, indicam o gaúcho Getúlio Vargas para concorrer à Presidência.

O programa da Aliança Liberal era ousado: instituição do voto secreto, criação da Justiça Eleitoral, independência do Poder Judiciário e moralização do Poder Legislativo, centralização do poder nas mãos do Executivo federal e reforma administrativa do Estado. Assumia como responsabilidade do governo federal a reforma do ensino e a adoção de medidas protecionistas para outros produtos de exportação, além do café. Posicionava-se a favor da industrialização do país. Defendia a liberdade de pensamento e de imprensa e a anistia para os revolucionários de 1922, 1924 e 1925-1927. 

Quanto aos trabalhadores, em contraposição à política de Washington Luís, que considerava a questão social um caso de polícia, a Aliança Liberal propunha a criação de leis e medidas de proteção aos trabalhadores urbanos, como o direito à aposentadoria, férias e regulamentação do trabalho do menor e da mulher. 

O candidato a vice-presidente na chapa de Júlio Prestes foi o baiano Vital Soares. Na chapa de Getúlio, concorreu o paraibano João Pessoa.