4 de abril

Arena nasce para dizer 'sim, senhor'

UDN e maioria do PSD se unem em legenda subserviente aos militares

A Aliança Renovadora Nacional (Arena) é fundada para apoiar a ditadura, dentro do sistema bipartidário criado pelo Ato Institucional nº 2. Aderem ao partido praticamente todos os integrantes da antiga UDN, que tinha feito feroz oposição aos governos trabalhistas de Getúlio Vargas e João Goulart, e a maior parte do antigo PSD, partido do ex-presidente Juscelino Kubitschek, além de membros do PSP e de outras agremiações menores.

Quase todos os governadores filiaram-se à Arena, inclusive os que haviam sido eleitos no ano anterior pela oposição, como Israel Pinheiro, oriundo do PSD. A exceção foi o governador da Guanabara, também eleito pelo PSD, Negrão de Lima, que não se filiou a nenhum partido. O primeiro presidente da Arena foi o senador gaúcho Daniel Krieger (UDN).

Pela subserviência aos militares, a legenda ficou conhecida como o “partido do sim, senhor”. Embora unida na obediência ao governo, a Arena era fragmentada nos Estados em diferentes correntes políticas conservadoras devido a rivalidades locais. Para evitar divisões irremediáveis, a ditadura criou as chamadas sublegendas, pelas quais os grupos disputavam as eleições separadamente, concorrendo entre si, mas os votos de todos eram somados e atribuídos à Arena.