11 de setembro

Ataque terrorista abala o Império

Atentados de 11 de setembro mudam a história dos EUA e do mundo

O grupo fundamentalista islâmico Al Qaeda realiza quatro ataques suicidas praticamente simultâneos contra símbolos do poder econômico, político e militar dos Estados Unidos. Dois aviões comerciais sequestrados horas antes são lançados contra as torres gêmeas do World Trade Center, complexo empresarial e financeiro em Nova York. Outro avião atinge o Pentágono, sede do Departamento de Defesa norte-americano, em Arlington, no Estado da Virgínia. A quarta aeronave, cujo destino era cair sobre a Casa Branca, sede do governo, em Washington, foi desviado e caiu num campo aberto em Shanksville, na Pensilvânia.

Os ataques deixaram cerca de 3 mil mortos e provocaram profundas alterações na política de segurança dos Estados Unidos. O governo do presidente George W. Bush passou a fazer do combate ao terrorismo o ponto central de sua política externa. A “guerra ao terror” justificaria a invasão do Afeganistão, a espionagem desautorizada de cidadãos norte-americanos e de governos de outros países e fortes restrições ao ingresso de estrangeiros nos Estados Unidos.

O fundador da Al Qaeda, o saudita Osama bin Laden, a quem se atribuiu o comando dos atentados de 11 de setembro, tornou-se o homem mais procurado do mundo. Foi capturado e morto por forças militares norte-americanas quase dez anos depois, em 2011, no Paquistão.