19 de agosto

Atentado em Bagdá mata Vieira de Mello

Diplomata brasileiro representava o secretário-geral da ONU no Iraque

Um atentado terrorista arrasa a sede da ONU em Bagdá e deixa 22 mortos, entre eles o brasileiro Sérgio Vieira de Mello, alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos e, naquele momento, representante especial no Iraque do secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

Por sua postura humanista e profissional e pela defesa da democracia, Sérgio Vieira de Mello era tido como referência mundial no tema dos direitos humanos.

Nascido no Rio de Janeiro em 1948, tornou-se funcionário das Nações Unidas em 1969, atuando, na maior parte do tempo, no Alto-comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Serviu em ações humanitárias e de manutenção da paz em Bangladesh, Sudão, Chipre, Moçambique e Peru.

Entre 1991 e 1996 foi designado enviado especial do alto-comissário ao Camboja, sendo o único representante da ONU a dialogar com o Khmer Vermelho — partido comunista que implantara um regime de terror ao governar o país, de 1975 a 1979.

Em 1996 foi designado como assistente do Acnur, antes de ser enviado para Nova York, em janeiro de 1998, como secretário-geral-adjunto para Assuntos Humanitários das Nações Unidas.

Ao ser nomeado, em 12 de setembro de 2002, alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Sérgio Vieira de Mello tornara-se o primeiro brasileiro a ocupar o mais alto escalão da ONU.