23 de agosto

Repressão a comício mata operário

Manifesto homenageava anarquistas executados nos EUA; Pagu é presa

Polícia ocupa os principais pontos de Santos, cidade portuária paulista, para impedir a manifestação convocada pelo Socorro Vermelho Internacional e pela Federação Sindical de Santos para homenagear anarquistas executados nos Estados Unidos.  

Na praça da República, o conflito entre populares e a repressão rapidamente tomou grandes proporções. Entre os estivadores que participavam dos protestos estava o ensacador de café Herculano de Sousa, negro e militante comunista. Atingido por um disparo da polícia, ele tombou agonizante e morreu nos braços de Pagu (a escritora Patrícia Galvão). Ela e a também comunista Guiomar Gonçalves acabaram presas. 

Pagu foi encarcerada primeiramente na Cadeia Velha de Santos. Depois, foi transferida para a Imigração do Porto de Santos, onde ficou um mês incomunicável. Primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, Pagu só foi libertada quase três meses depois.

Os anarquistas homenageados no comício eram os migrantes italianos Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, injustamente acusados de homicídio em Massachusetts, nos Estados Unidos, e executados em 23 de agosto de 1927. Seu julgamento fora uma farsa, marcada pelo preconceito contra os anarquistas e pela falta de provas. Condenados à cadeira elétrica, Sacco e Vanzetti tornaram-se símbolos do movimento operário.