19 de abril

De novo, pobres não engolem brigadeiro

Eduardo Gomes confirma imagem de elite ao apoiar o fim do salário mínimo

O brigadeiro Eduardo Gomes é lançado novamente candidato à Presidência da República pela UDN, desta vez contra o ex-presidente Getúlio Vargas (PTB). Nas eleições de 1945 contra Eurico Gaspar Dutra, ele havia sido o franco favorito até as vésperas do pleito, mas tudo indica que desta vez será derrotado por ampla margem, e Getúlio deve voltar ao poder pelo voto, graças a uma campanha que vem empolgando o eleitorado.

No palanque, o brigadeiro confirmava a imagem de “candidato dos grã-finos”. Defendia o fim do salário mínimo e a “liberdade contratual”, o que enterraria de vez suas chances junto aos mais pobres. Nem seu histórico de defesa da democracia durante o Estado Novo — fama que lhe rendeu chances reais para sua eleição em 1946 — contava mais, pois o ficara para trás na memória do eleitorado.

Ainda assim, como candidato do mais forte partido oposicionista, Eduardo Gomes chegaria em segundo lugar, com 29,6% dos votos. Getúlio Vargas se elegeria com 48,73% dos votos.