11 de maio

Brizola encampa a Bond & Share

Medida vem após fiasco nas negociações para ampliação da rede elétrica no RS

O governo do Rio Grande do Sul encampa a Companhia de Energia Elétrica (CEE), filial da multinacional americana Bond & Share, após várias tentativas de acordo para extensão da rede de energia.

O governador Leonel Brizola, que tinha então 38 anos, assumira o cargo no dia 31 de janeiro e vinha tentando, sem sucesso, negociar com a empresa norte-americana um acordo para ampliar a distribuição de energia do estado. Grande parte da população rio-grandense, incluindo na capital, Porto Alegre, vivia às escuras.

Como os entendimentos não avançavam, Brizola deu por encerradas as negociações e, alegando ineficiência da empresa e prejuízo ao desenvolvimento do estado, anunciou a expropriação da CEE e a criação de uma estatal para assumir suas atribuições.

A medida, ousada e surpreendente, abalou as relações entre Brasil e Estados Unidos — até aquele momento, nem mesmo Fidel Castro e Che Guevara, os revolucionários de Cuba, haviam se atrevido a tanto.

Três anos depois — já com João Goulart na Presidência —, sob as mesmas alegações, o governador encamparia os serviços e bens da Companhia Telefônica Nacional (CTN), filial da International Telephone & Telegraph (ITT), o que levaria o jornal “Washington Post” a qualificá-lo como “demagogo perigoso, hábil e infinitamente ambicioso”. Diria ainda o jornal que “os norte-americanos estão finalmente se dando conta de quem é o brasileiro considerado o candidato mais provável a fazer o papel de Fidel Castro num país muito mais importante para o hemisfério do que a pequena ilha de Cuba”.

Naquele momento, porém, o João Goulart estaria dependendo do apoio financeiro dos Estados Unidos e, para amenizar a situação, ofereceria à ITT uma indenização quase 20 vezes maior do que a arbitrada pela Justiça do Rio Grande do Sul.