16 de setembro

Canavieiros em greve levantam o Nordeste

Movimento é vitorioso em três estados; violência contra líderes rurais não cessa

Mais de 400 mil trabalhadores canavieiros de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte se mobilizam numa greve por melhores salários, condições de trabalho e pela estabilidade de delegados sindicais nas plantações e engenhos. Na Paraíba, onde a Polícia Militar apoiou a repressão montada pelos proprietários, o movimento durou dez dias. Organizada pelas Federações de Trabalhadores Rurais com apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a greve foi vitoriosa nos três Estados e fortaleceu a organização dos trabalhadores do campo.

Os conflitos agrários na região vinham crescendo desde 1979, quando os canavieiros de Paudalho e São Lourenço da Mata (PE) realizaram a primeira greve desde o golpe de 1964. No ano seguinte, outra paralisação envolveu todos os canavieiros de Pernambuco. No mesmo período aumentou a mobilização dos pequenos produtores rurais no país.

A crescente organização dos trabalhadores enfrentou a violência impune dos proprietários de terra. Em 17 de setembro, dois pistoleiros assassinaram o líder sindical Nonatinho, em Santa Luzia (MA). Cerca de 5 mil camponeses participaram do sepultamento do sindicalista, que se transformou em ato de protesto contra a violência. Em 2 de outubro, 40 mil agricultores gaúchos reuniriam-se em Porto Alegre para lançar o Grito do Campo, com reivindicações sobre a política agrícola.