6 de agosto

Nasce uma coleção para pensar o Brasil

Série ambiciosa de livros tem intelectuais renomados como autores

A Companhia Editora Nacional lança projeto ousado: a Biblioteca Pedagógica Brasileira, composta de cinco séries complementares: 

- Literatura Infantil, cujo primeiro volume é “Reinações de Narizinho”, de Monteiro Lobato; 
- Livros Didáticos, dirigida a estudantes de escolas primárias, cursos secundários e superiores; 
- Atualidades Pedagógicas, voltada para a formação de professores (seguindo os princípios de renovação pedagógica iniciados na década passada e conhecidos como “escola nova”); 
- Iniciação Científica, com obras de sociologia, psicologia, higiene e outros temas; 
- Coleção Brasiliana, que pretende apresentar o Brasil para os brasileiros, com publicações de história, antropologia, sociologia, relatos de viajantes, biografias, memórias, ensaios e interpretações do país.

Seu objetivo não era modesto: mobilizar o Estado, a imprensa e o povo para a construção de uma educação pública de qualidade em todo o território nacional. 

Pela primeira vez na nossa história, a produção dos livros era encomendada a intelectuais reconhecidos. Os preços eram acessíveis, e as tiragens, grandes, para que mais pessoas pudessem adquirir as obras. Os primeiros volumes foram lançados em 1931.