22 de dezembro

Governo medeia a criação da Contag

Entidade nacional camponesa terá gestão partilhada entre AP, PCB e igreja

Representantes de federações estaduais de trabalhadores agrícolas (as Fetags) recém-constituídas criam a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), que seria reconhecida formalmente com o Decreto-Lei 53.517 do ano seguinte. A fundação da entidade é viabilizada pelo compromisso de uma direção compartilhada pelas três forças que atuavam fortemente no campo — o PCB; a Ação Popular (AP), ligada à Igreja Católica progressista; e setores católicos conservadores —, sob a presidência do comunista Lyndolpho Silva.

A regulamentação do sindicalismo rural pelo presidente João Goulart, em 1962, definira uma organização horizontal, com sindicatos únicos em cada base geográfica filiados a uma única federação estadual. Todas as federações estaduais, por sua vez, eram filiadas a uma única confederação nacional.

A partir de então, PCB, AP e católicos conservadores empreenderam uma verdadeira corrida para criar sindicatos e federações sob sua tutela, de modo a influenciar a futura confederação.

Em julho, durante um encontro de entidades rurais, três federações ligadas à AP tentaram criar a Contag, sem sucesso. Em outubro, nova tentativa fora impugnada pelo Ministério do Trabalho, a pedido do PCB.

A reunião que enfim criou a Contag, em dezembro, ocorreu sob a organização e coordenação do Ministério do Trabalho. A entidade sofreria a intervenção do governo militar logo após o golpe de 1964, dois meses depois da publicação do decreto de sua criação.