1º de outubro

Cortadores de cana param no Nordeste

Milhares de canavieiros exigem melhores condições de trabalho

Após tentativas frustradas de negociação, 46 sindicatos rurais deflagram uma greve que paralisa os trabalhos de cerca de 250 mil cortadores de cana de Pernambuco. As negociações não podem ser feitas com o conjunto dos produtores, que alegam situações diferenciadas, especialmente os usineiros com plantações próprias. A divisão prejudica as discussões da pauta, que inclui 67 reivindicações sociais e trabalhistas.

Os canavieiros organizaram piquetes nos quase 7 mil engenhos do Estado e exigiam um reajuste salarial de 182,5%. Depois de uma semana de manifestações, a Justiça concedeu um reajuste que não chegou a um terço do que era pedido pelos grevistas.