20 de abril

CPI apura corrupção no Poder Judiciário

Comissão revela desvios de verbas por juiz em obras do prédio do TRT-SP

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada no Senado para apurar denúncias de irregularidades no Poder Judiciário choca o país ao revelar o esquema de desvio de verbas montado pelo Juiz Nicolau dos Santos Neto, presidente do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

Após seis anos de obras e gastos de mais de R$ 230 milhões, o prédio do Fórum Trabalhista paulista não havia sido concluído. O Tribunal de Contas da União (TCU) constatou que menos de R$ 70 milhões tinham sido efetivamente aplicados na construção. Os R$ 169 milhões restantes foram desviados para as contas do juiz e do senador Luiz Estevão (PMDB-DF), dono do grupo OK, responsável pela obra.

As investigações apuraram que, apesar de ter salário de R$ 6 mil, Nicolau dos Santos Neto tinha patrimônio superior a R$ 5 milhões, além de contas na Suíça, Estados Unidos e Ilhas Cayman. O juiz, que passou a ser chamado de Lalau, pejorativo de ladrão, foi preso no ano 2000. Em 2006, foi condenado a 26 anos e meio de prisão, sentença que cumpriu até junho de 2014. Luiz Estevão, que teve o mandato parlamentar cassado, recebeu pena de 31 anos, da qual vem recorrendo em liberdade.