Abril

Ditaduras se unem às ordens de Tio Sam

Brasil, Paraguai e Nicarágua se aliam na invasão da República Dominicana

Em mais um gesto de alinhamento incondicional aos EUA, Castelo Branco envia 1.300 militares brasileiros para apoiar a invasão da República Dominicana. O ataque norte-americano ao pequeno país do Caribe tinha o objetivo de garantir a ditadura instalada em 1963 em Santo Domingo, que havia derrubado o governo constitucional de Juan Bosch. O golpe contra Bosch, acusado pelos EUA de comunista, fora organizado pela CIA.

Em abril de 1965, a ditadura dominicana, sentindo-se ameaçada por setores constitucionalistas que vinham ganhando apoio na Marinha e da Polícia Nacional, pediu socorro aos EUA. Além do Brasil, as ditaduras do Paraguai e da Nicarágua aceitaram participar das Forças Interamericanas de Paz, que ficaram 17 meses no país até a vitória do regime pró-norte-americano. Mais de 2 mil cidadãos dominicanos morreram.  

A subserviência de Castelo, que colocou o Brasil no papel de polícia dos EUA, desencadeou as primeiras passeatas estudantis depois do golpe de 1964.