23 de maio

... E o som da periferia agora é tendência

Internet torna-se espaço de lançamento de canções sem a tutela das gravadoras

O cantor MC Daleste lança, via Youtube, o clipe "Bonde dos Menor" [sic], marcando a popularização do funk ostentação, gênero que se caracteriza pela glorificação do consumo, especialmente da classe C.

O sucesso do funk ostentação, inicialmente produzido e consumido na periferia de São Paulo, rapidamente superou limites geográficos e sociais e se manteve independente da lógica de mercado das grandes gravadoras, graças ao meio de divulgação escolhido — a internet.

Esse fenômeno da explosão de sucessos nas plataformas digitais, consumidos gratuitamente pelos internautas, não se restringiria ao funk: artistas de tecnobrega, rap, sertanejo universitário e pop também acumulariam milhões de visualizações em seus clipes e vídeos, alguns deles produzidos e publicados pelos próprios fãs.

A classe C se destacaria como grande produtora e consumidora do som da primeira década dos anos 2000, ocupando espaços nas rádios, clubes e casas de show anteriormente restritos às classes A e B.

O eixo Rio-São Paulo logo deixaria de ser o único produtor de tendências musicais, com o sucesso do tecnobrega (vindo do Pará), do forró eletrônico (do Ceará) e da nova cena do brega romântico (Pernambuco).

As letras politicamente engajadas do rap e de uma vertente cada vez maior do funk carioca também marcariam o período.