28 de novembro

Getúlio recomenda: 'votai em Dutra'

Na reta final, apoio do ex-presidente é decisivo para derrotar Eduardo Gomes

Meia hora antes de se encerrar o último comício de Eurico Gaspar Dutra, candidato do PSD à Presidência, chega mensagem de São Borja, aguardada ansiosamente pelo comando da campanha. “O candidato do PSD, em repetidos discursos, e ainda agora, em suas últimas declarações, colocou-se dentro das ideias do programa trabalhista. Ele merece, portanto os nossos sufrágios!”, diz Vargas, na carta triunfalmente lida do palanque.

Nos cinco dias seguintes, os últimos da campanha, o país seria inundado por panfletos com a foto do ex-presidente e seu recado ao eleitor: “Ele disse: votai em Dutra”.

Foi a segunda manifestação política de Vargas depois de sua deposição pelas Forças Armadas — e a de mais difícil decisão. Afinal, um mês antes, Dutra havia participado do golpe que depusera Getúlio.

Após o golpe, o presidente do Supremo Tribunal Federal, José Linhares recebera a Presidência da República dos militares — como queria a UDN — e deu início à perseguição contra políticos alinhados com Vargas. Funcionários nomeados por Getúlio foram demitidos, e cargos de confiança, extintos; para substituí-los, o novo presidente nomeava parentes e mais parentes, sem pudor algum. Um dito popular já corria de boca em boca: “Os Linhares? Ah! São milhares...”

Apesar da mágoa em relação a Dutra, a maior parte do PTB e um grupo liderado pelo empresário Hugo Borghi se convenceram de que era melhor apostar na vitória do candidato do PSD do que engolir o mal maior: a Presidência nas mãos da UDN do brigadeiro Eduardo Gomes. O próprio Getúlio acabou adotando esse ponto de vista, e sua intervenção foi decisiva.

A primeira manifestação de Vargas após o golpe foi divulgada em panfletos com sua foto, que diziam: “Ele disse: ingressai no PTB”. A segunda manifestação, de apoio a Dutra, foi parte de um acordo que levaria o partido ao Ministério do Trabalho e selaria o compromisso do candidato do PSD com a manutenção dos direitos sociais dos trabalhadores.

O general Dutra seria eleito com 3,2 milhões de votos, cerca de 1,2 milhão a mais do que o brigadeiro Eduardo Gomes.