Novembro

Exilados publicam notícias do Brasil

Boletim editado na Argélia denuncia ao mundo os crimes da ditadura

Exilado na Argélia, o ex-governador Miguel Arraes organiza uma rede de publicações para denunciar no exterior os crimes da ditadura: a Frente Brasileira de Informações (FBI). Seus boletins foram distribuídos na França, Bélgica, Holanda, Itália, Portugal e Chile, entre outros países, e traduzidos em vários idiomas. Os conteúdos eram produzidos na Argélia, presidida à época pelo nacionalista Houari Boumédiène, a partir de notícias enviadas do Brasil.

Nos outros países, os exilados organizavam sua distribuição, muitas vezes acrescentando novas informações. Os principais coordenadores do FBI em Paris foram Violeta Arraes, irmã do ex-governador, e o deputado cassado Márcio Moreira Alves. A iniciativa recebia a colaboração de várias organizações de esquerda.

Até 1975, a FBI cumpriu um importante papel na denúncia de torturas e assassinatos, assim como das condições de vida subumanas da maioria da população brasileira. Extinguiu-se por divergências internas quanto à orientação política.