14 de abril

Flávia é libertada de prisão uruguaia

Campanha nacional força ditadura de Montevidéu a libertar brasileira

A estudante brasileira Flávia Schilling é libertada no Uruguai, depois de passar seis anos na penitenciária de Punta Rieles acusada de pertencer à organização uruguaia Tupamaros. A campanha pela libertação de Flávia manteve mobilizados os movimentos pela anistia ampla, geral e irrestrita no Brasil.

O governo da ditadura teve de encampar a reivindicação e pressionou o governo uruguaio, que alterou a legislação penal do país. Dessa forma, outros presos estrangeiros também foram libertados. O pai de Flávia, Paulo Schilling, assessor de Leonel Brizola antes de 1964 e importante dirigente político, foi obrigado a exilar-se depois do golpe. Mais tarde, ele se filiaria ao PT.