14 de novembro

G-20 reflete novo mundo multipolar

Protagonismo de países emergentes abre caminho para nova ordem global

Realiza-se em Washington, DC, a primeira reunião da cúpula do G-20 a contar com a presença dos chefes de Estado dos países-membros. O objetivo dessa reunião de emergência é discutir a crise econômica e propor mudanças no sistema.

A crise financeira mundial, gerada nos países mais desenvolvidos do mundo capitalista, alastrava-se. A reunião foi, portanto, um símbolo da nova configuração política global, marcada pela multipolaridade e pelo protagonismo crescente dos países emergentes.

O G-20, grupo das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia, surgiu no final da década de 1990, constituído pelos ministros das Finanças dos países-membros. O enfraquecimento do G-7 (grupo de sete nações que, na época, representam metade da economia mundial), a partir dos anos 2000, e a nova configuração sociopolítica — em que os países ricos reconheciam a necessidade de dialogar com os novos atores emergentes — contribuíram para firmar o protagonismo do G-20 a partir de 2008, visando restaurar o crescimento econômico global.

As reuniões de cúpula do G-20, já com a presença de chefes de Estado, ocorreriam duas vezes ao ano até 2010, dando especial importância aos princípios de mercado, à regulação eficaz e a instituições globais robustas, combinando-os à ênfase na geração de emprego e no combate à pobreza — bandeiras dos países emergentes.