11 de fevereiro

STJ manda prender governador do DF

Arruda é acusado de tentar subornar testemunha do 'mensalão do DEM'

Em decisão histórica, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decreta, pela primeira vez desde a redemocratização do país, a prisão de um governador no exercício do mandato. José Roberto Arruda (ex-DEM), do Distrito Federal, é acusado de tentar subornar uma testemunha-chave do esquema que envolvia outros membros do governo do Distrito Federal.

Dois meses antes, a operação Caixa de Pandora já havia flagrado Arruda embolsando R$ 50 mil, quantia que alegou destinar-se à compra de panetones para famílias carentes. Pressionado, desligou-se do DEM.

A operação também revelara um esquema de desvio de dinheiro público para compra de apoio de parlamentares e que ficaria conhecido como “Mensalão do DEM”. O esquema envolvia, além do governador, empresários e vários outros políticos — entre eles, o corregedor e o presidente da Câmara Distrital.

Apesar da pressão popular, os inquéritos parlamentares e os pedidos de impeachment encontrariam resistência no Legislativo do DF.

Denunciado por tentativa de suborno, Arruda ficaria dois meses em prisão preventiva, por corrupção de testemunha, e teria o pedido de habeas corpus negado em duas ocasiões.

Em março, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cassaria seu mandato de governador.