4 de outubro

Eleições: governistas ampliam prefeituras

PSDB e PFL perdem espaço, mas ainda comandarão mais municípios que o PT

Com a divulgação dos resultados do primeiro turno das eleições municipais realizadas ontem, o quadro é de avanço dos partidos de sustentação do governo federal. O PT conquista 411 prefeituras, sendo seis capitais. Juntos, os principais partidos da base aliada do governo (PT, PMDB, PL, PSB, PP, PPS e PTB) recebem expressivos 56,3 milhões de votos. O partido do presidente Lula disputará ainda o segundo turno em 23 municípios, sendo nove capitais.

O Partido dos Trabalhadores (PT), que havia vencido em 187 municípios em 2000, passaria a governar 411 em 2005; por outro lado, seu principal opositor nacional, o Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB), viu reduzir sua representação nas cidades brasileiras, de 990 para 871 prefeituras — mesmo assim, ainda comandaria mais que o dobro de municípios governados pelo PT. Outras agremiações também encolheram, como o Partido da Frente Liberal (PFL), que perdeu 238 municípios, caindo de 1028, em 2000, para 790, em 2004.

No segundo turno das eleições, o PT seria o partido a levar mais prefeituras: 11, das 23 que disputaria (48% de aproveitamento). O PSDB concorreria em 20 municípios e venceria em nove, com 45% de aproveitamento, enquanto o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) disputaria em 12 cidades e venceria em seis, e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) levaria cinco em sete disputas. Já o PFL concorreria em cinco municípios e perderia em todos.

Com a vitória do tucano José Serra em São Paulo — derrotando a prefeita petista Marta Suplicy — e o expressivo crescimento do PT — apesar da derrota em Porto Alegre após 16 anos no governo —, consolidava-se no país um quadro de bipolarização, que já havia sido a marca do período FHC e se aprofundaria no governo Lula.