16 de janeiro

Governo cria moeda contra a inflação

Plano Verão: a segunda moeda e o terceiro congelamento da era Sarney

O ministro da Fazenda, Maílson da Nóbrega, anuncia um novo plano econômico, o quarto do governo Sarney. O Plano Verão cria uma nova moeda, o cruzado novo, valorizada por sua equiparação ao dólar, e volta a congelar preços e salários. Era mais uma tentativa de controle da alta da inflação que medidas anteriores não conseguiram conter.

O Plano Bresser, adotado em junho de 1987 pelo antecessor de Maílson, Luiz Carlos Bresser Pereira, havia conseguido derrubar a inflação nos primeiros meses, mas ela voltaria a subir, acumulando 363% em 12 meses findos em dezembro. No mesmo mês, Bresser demitiu-se.

O Plano Verão alterou a regra de correção dos depósitos em cadernetas de poupança, trocando o índice anterior, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), por um menor, a variação das Letras do Banco Central (LBC). Muitos anos depois os poupadores lutariam na Justiça para reaver as perdas. 

Medidas como privatização de empresas estatais, extinção de órgãos públicos e demissões de servidores federais propostas pelo ministro foram rejeitadas no Congresso. O Plano Verão seria a última tentativa do presidente Sarney de vencer a inflação, no ano da eleição de seu sucessor, a primeira pelo voto direto depois do final da ditadura.