2 de janeiro

Governo culpa CEBs por tensão agrária

Mais dois líderes são mortos; polícia prende padres franceses no sul do Pará

É assassinado o camponês José Manuel de Souza, o Zé Piau, líder de posseiros na região sul do Pará e ligado à Comissão Pastoral da Terra (CPT). No dia 7 de janeiro, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) denunciaria o assassinato do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Tauá (CE), Francisco Sobreira Lima, ocorrido em 31 de dezembro. Em agosto, pistoleiros haviam assassinado Sebastião Souza Oliveira, o Sebastião Mearim, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vizeu (PA). A década de 1980 seria marcada pelo aumento da violência nos conflitos no campo.

A agressão a posseiros, sindicalistas, advogados e religiosos no campo fez crescer a tensão política entre a igreja católica e o governo do general presidente João Baptista Figueiredo. A crise chegaria ao auge em 13 de agosto, num confronto entre posseiros de São Geraldo do Araguaia (PA) com agentes da Polícia Federal e do Grupo Executivo de Terras do Araguaia-Tocantins (Getat), ligado ao Conselho de Segurança Nacional. Morreu no confronto um empregado da fazenda de um deputado do PDS.

Os padres franceses Francisco Gouriou e Aristides Camio, ambos ligados às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), foram presos pela PF, acusados de incitar os posseiros de São Geraldo à violência. Enquadrados na Lei de Segurança Nacional, Gouriou e Camio foram condenados e ficariam na prisão por dois anos.