12 de dezembro

Greve geral mostra fracasso do plano

Cruzado malogra e 25 milhões de trabalhadores param em protesto

Frustrados com o fracasso do Plano Cruzado, ocultado pelo governo durante toda a campanha eleitoral, 25 milhões de trabalhadores do campo e da cidade, segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), fazem a maior greve geral da história do Brasil. Em seu lançamento, o Plano Cruzado havia provocado grande euforia entre a população ao congelar preços. Esse clima de otimismo provocou uma desmobilização nos sindicatos e garantiu uma votação massiva ao PMDB nas eleições daquele ano. No entanto, apenas seis dias após as eleições, o governo anunciou ajustes impopulares. A sociedade revoltou-se ao se dar conta de que o governo protelara o anúncio das medidas para proteger o PMDB nas urnas.

Confiantes no Cruzado, apesar dos salários congelados, trabalhadores haviam deixado de se interessar pelos sindicatos, que assim perderam força e representatividade nas negociações com os patrões. Os consumidores, que se transformaram em “fiscais do Sarney”, chegaram a fechar supermercados e lojas que remarcavam preços ilegalmente durante o Plano Cruzado. Nas eleições de novembro, esse clima de empolgação nacional ajudou o PMDB a eleger 22 governadores nos 23 Estados e quase dois terços da Câmara dos deputados e do Senado. No entanto, os ajustes feitos no Cruzado 2 logo após a eleição permitiram o aumento dos preços e a volta da hiperinflação, que corroeu ainda mais os salários já arrochados durante o plano.

O objetivo era tentar acabar com o desabastecimento de produtos provocado por boicote de empresários insatisfeitos com o congelamento de preços, cortar gastos públicos e aumentar a arrecadação de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O pacote foi logo batizado de Plano Cruzado 2. Preços de combustíveis, automóveis, bebidas e açúcar e tarifas foram reajustados e descongelados. As correções salariais seguiam vinculadas a um gatilho disparado quando a inflação atingisse 20%, mas mudanças na metodologia de cálculo da taxa iriam dificultariam ainda mais o seu disparo. Acabava o sonho do Plano Cruzado e do congelamento de preços. A sociedade, que votou em peso no PMDB nas eleições, reagiu frustrada.

A greve geral de 12 de dezembro deu vazão à insatisfação e ao fim da ilusão do Plano Cruzado. Descontentes, os trabalhadores cruzaram os braços em quase todos os Estados do país. No ABC, a paralisação teve a adesão de 100% dos operários. Em Volta Redonda (RJ), os operários da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) ocuparam a usina, que foi invadida a seguir por tropas do Exército apoiadas por tanques.

A greve teve um importante efeito político, pois obrigou o governo a manter o gatilho que ameaçava eliminar e a recuar na tentativa de alterar as regras de disparo.