28 de fevereiro

Greves nas estatais confrontam o FMI

Metalúrgicos ocupam a Cosipa; movimento alcança CSN e Embraer

Metalúrgicos em greve ocupam a usina da Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa) em Cubatão (SP).  Essa estratégia é utilizada pela primeira vez numa grande empresa estatal do país – a Cosipa tinha 11 mil trabalhadores. A ocupação durou três dias e a greve foi suspensa para ser retomada em setembro. O episódio demonstrava o nível de tensão nas estatais da época.

Em 19 de junho, os metalúrgicos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em Volta Redonda (RJ), também cruzariam os braços na primeira greve geral da história da empresa. Eles reivindicavam equiparação salarial com os empregados da Cosipa, que recebiam, em média, o dobro dos salários.

Em agosto, seria a vez dos 10 mil metalúrgicos da Embraer, em São José dos Campos (SP). Os funcionários ocuparam a fábrica por três dias e o Exército invadiu a empresa. Encerrada a ocupação, a Embraer afastou e depois demitiu por justa causa 134 trabalhadores e fez intensa perseguição a diretores do sindicato.