26 de novembro

Assume interventor de SP: é João Alberto

Antes da posse, aumenta salário e reduz jornada; depois, reprime greves

João Alberto, chefe político, militar e policial do governo provisório de São Paulo desde o final de outubro, toma posse como interventor no estado e mantém no cargo os antigos secretários, que cuidavam da parte administrativa. 

No início de dezembro, João Alberto surpreendeu os paulistas ao baixar um decreto aumentando em 5% os salários dos operários e reduzindo a jornada de trabalho para 40 horas semanais. Na ocasião, ameaçou confiscar as fábricas que não cumprissem a determinação. 

Em documento assinado após a posse, porém, o interventor mandou um duro recado aos operários: “[o governo paulista] não atenderá de maneira alguma às reclamações de operários que se acharem em greve”. Além disso, “embora garanta plena liberdade de pensamento, o governo paulista não consentirá em agitações de caráter comunista ou anarquista, estando firmemente resolvido a reprimir com severidade as tentativas que se façam para perturbar a ordem pública, danificar a propriedade particular ou ofender as pessoas”. O documento foi assinado por ele e todos os secretários.

O pernambucano João Alberto, que havia sido um dos comandantes da Coluna Prestes, também participou da Revolta de 1924. Foi o único sobrevivente do acidente aéreo que matou o tenentista Siqueira Campos.