27 de junho

Conflito no Alemão vira massacre

Repressão ao crime organizado assume caráter de represália e faz 19 mortos

Confronto entre forças policiais e o crime organizado no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, se converte em massacre: 19 mortos.

Após o assassinato de dois policiais em Osvaldo Cruz (Zona Norte do Rio de Janeiro), as forças de segurança investiram pesadamente contra o crime organizado. No dia 2 de maio, teve início a ocupação militar no conjunto de favelas conhecido como Complexo do Alemão. Desde então, vítimas eram contabilizadas quase todos os dias.

No dia 27 de junho, 1.200 policiais civis e militares e 150 agentes da Força Nacional haviam sido mobilizados para enfrentar qualquer resistência ao cumprimento de sua missão — alcançar o topo do complexo.

Em outubro, relatório elaborado por peritos forenses designados pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República comprovaria que nos corpos daqueles 19 mortos havia, no total, 70 projéteis, 54 deles em pontos letais: costas, pescoço e cabeça. Os baleados na cabeça eram seis, e ao menos dois deles apresentavam “evidências de morte por execução sumária e arbitrária”, segundo o laudo pericial.