7 de junho

'Macedada' liberta 300 presos políticos

Novo ministro da Justiça beneficia os detidos de 1935 que não têm processo

José Macedo Soares, ministro da Justiça há apenas quatro dias, ordena a imediata libertação de 300 presos políticos do levante comunista de 1935 que se encontravam sem processo formado.

O estado de guerra, declarado por Getúlio em dezembro de 1935, também foi finalmente revogado, o que tornava ilegal manter pessoas encarceradas sem justificativas, provas, processos ou julgamento.

A libertação dos presos políticos ficou conhecida como a “macedada” e se prolongou até setembro, apesar dos protestos de Filinto Müller e dos integralistas. Os confrontos entre grupos de esquerda e de direita voltaram a acontecer, alguns com mortes.

Após grandes manifestações em seu apoio, Pedro Ernesto, ex-prefeito do Distrito Federal, preso em abril de 1936, seria libertado no dia 14 de setembro. Livre, faria violento discurso contra o governo federal, ao declarar apoio à candidatura do governador paulista Armando de Sales Oliveira à Presidência da República. Sua euforia, porém, duraria pouco, pois cerca de um mês depois seria novamente preso — desta vez, na companhia do filho.