7 de julho

Nasce 'Movimento', um jornal sem patrões

O 'jornal de jornalistas' semanal teve papel marcante na imprensa alternativa

Chega às bancas o primeiro número do semanário "Movimento", que teria grande influência no debate político da esquerda e das forças democráticas do país. Criado por um grupo de profissionais saídos do jornal "Opinião" liderado por Raimundo Rodrigues Pereira, "Movimento" tinha a proposta de ser “um jornal de jornalistas”, sem um empresário na direção.

A nova publicação tinha um programa explícito em defesa de uma frente de oposição à ditadura e da convocação de uma Assembleia Constituinte. Cobriu as greves do ABC, o surgimento da liderança de Lula e dos novos movimentos populares. Deu destaque também aos problemas urbanos, como a crise do transporte público.

Desde a primeira edição, o jornal esteve sob censura prévia, que durou três anos e vetou 3.093 artigos na íntegra, 3.162 ilustrações e cerca de 4,5 milhões de palavras. Circulou até novembro de 1981 e teve 5 de suas 334 edições apreendidas nas bancas.  Ao longo de sua existência, Movimento atravessou crises internas e, mais tarde, sofreu a concorrência de jornais de outras tendências de esquerda, mas foi sempre um dos mais importantes veículos da chamada “imprensa alternativa”.