1º de maio

Operário morre após prisão no Dops

Investigação sobre morte de Hansen é arquivada pelo ministro da Justiça

O dirigente do Partido Operário Revolucionário Trotskista (Port), Olavo Hansen, é preso enquanto distribuía panfletos na Vila Maria Zélia, em São Paulo, no Dia do Trabalhador. Levado ao Dops, foi torturado durante cinco dias.

Muito ferido, apesar dos protestos de outros presos políticos, o operário não recebeu assistência médica. Foi levado ao Hospital do Exército somente no dia 8 de maio, já em estado de coma. No dia seguinte, sua família foi informada de que ele havia se suicidado.

A morte de Hansen gerou requerimentos de investigação junto ao Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), órgão presidido pelo ministro da Justiça, Alfredo Buzaid. Como aconteceu durante todo o governo Médici, o CDDPH manteve-se em silêncio diante das denúncias.