27 de março

Palocci não é mais ministro da Fazenda

Denúncia de caseiro e quebra de seu sigilo bancário motivaram a demissão

Um dos nomes mais fortes do Governo Lula, o então ministro da Fazenda, Antônio Palocci, perdeu o cargo após ser acusado de ter participado da quebra ilegal do sigilo bancário de Francenildo Santos Costa. Francenildo era caseiro de uma mansão em Brasília, que seria ponto de encontro de lobistas, empresários e políticos para tráfico de influência e encontros amorosos. 

A mansão era alugada por um grupo conhecido como República de Ribeirão Preto, formado por ex-assessores de Palocci quando ele era prefeito do município. O caseiro afirmou que o ministro da Fazenda era frequentador assíduo da residência, ao contrário do que Palocci dissera em depoimento à CPI dos Bingos, em janeiro de 2003. 

Em meio à crise política, a imprensa divulgou um extrato bancário da conta de Francenildo, que atestava o recebimento de mais de R$ 30 mil nos últimos três meses. Defensores de Palocci afirmavam que Francenildo recebera a quantia em troca de seu depoimento contrário ao ministro. A versão do caseiro foi a de que o dinheiro seria uma compensação financeira paga por seu pai biológico, após reconhecimento da paternidade. 

A violação do sigilo bancário ganhou forte repercussão. A direção da Caixa Econômica Federal, responsável pela conta do caseiro, foi intimada a explicar o vazamento das informações. O presidente da instituição, Jorge Mattoso, confirmou em depoimento que entregou o extrato do caseiro ao ministro da Fazenda. Diante da gravidade da denúncia, Palocci foi demitido.