Dezembro

PCB fecha questão contra luta armada

Dirigentes comunistas rejeitam guerrilha e expulsam dissidentes

Na clandestinidade, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) realiza em São Paulo seu 6° Congresso, que define como linha política lutar pela criação de uma frente com todas as forças políticas favoráveis à volta ao regime democrático. Nas suas resoluções, o congresso condena radicalmente as ações armadas.

Durante e depois das discussões, numerosos militantes e dirigentes históricos deixaram o partido, entre eles Carlos Marighella, Joaquim Câmara Ferreira, Mário Alves, Jacob Gorender e Apolônio de Carvalho. Eles formariam organizações que combateram a ditadura com armas na mão, como a Ação Libertadora Nacional (ALN) e o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR).