25 de maio

PDT completa novo quadro partidário

Com seis legendas, ditadura aposta em dividir oposição e controlar Congresso

A criação do PDT completa o projeto de reforma partidária concebido pelo general Golbery do Couto e Silva, chefe do Gabinete Civil do general presidente João Baptista Figueiredo. É um dos movimentos finais do projeto de “distensão gradual e segura”, rebatizado de “abertura política”. Com a reforma, a ditadura esperava dividir a oposição para manter o controle do Congresso e da sucessão presidencial indireta em 1985. O último passo seria restabelecer eleições diretas para governador em 1982 com uma legislação eleitoral favorável ao partido oficial, o PDS.

Golbery imaginava que seriam formados quatro novos partidos: os sucessores da Arena (PDS) e do MDB (PMDB), um partido “de centro” (o PP) e uma legenda mais à esquerda, reunindo Leonel Brizola e parte dos novos sindicalistas. A primeira surpresa na reforma foi a criação do PT. A segunda, o PDT, em consequência da manobra que tomou de Brizola a sigla PTB, que ficou nas mãos do grupo da deputada Ivete Vargas.

Veja no quadro ao lado como era a distribuição das bancadas na Câmara dos Deputados ao final de 1980.