3 de outubro

Eleições 1958: PTB cresce no meio rural

PSD mantém maioria na Câmara, mas elege só 2 governadores e 6 senadores

O Brasil realiza eleições para 11 governos estaduais, um terço das vagas do Senado, a Câmara dos Deputados, as Assembleias Legislativas e a Câmara de Vereadores do Distrito Federal.

O resultado consagraria o sucesso da estratégia do PTB de crescer entre o eleitorado do campo, até então dominado pelo PSD, e ilustra o distanciamento cada vez maior entre as duas forças políticas que deram sustentação tanto ao governo democrático de Getúlio Vargas quanto ao de Juscelino Kubitschek.

Embora se mantendo como o partido de maior bancada na Câmara, com 117 deputados eleitos, o PSD elegeria apenas dois dos onze governadores e seis dos 21 senadores.

Segundo alguns analistas, o PSD fora prejudicado pela instituição do título de eleitor com fotografia, o que reduziu a possibilidade das fraudes que favoreciam suas oligarquias.

O PTB permaneceria como o terceiro maior partido na Câmara, com 66 deputados — dez a mais que no pleito anterior. Além disso, elegeria cinco senadores e cinco governadores — entre deles, Leonel Brizola, no Rio Grande do Sul, o líder da ala esquerda do partido.

A UDN, principal partido oposicionista, elegeria três governadores, nove senadores e 70 deputados federais — quatro a menos que em 1954 e 11 a menos que em 1950. O partido levaria para o Senado três de seus quadros mais importantes: Otávio Mangabeira (BA), Afonso Arinos (DF) e Milton Campos (MG).