2 de outubro

Rio sediará Jogos Olímpicos de 2016

Cidade brasileira vence disputa contra Madri, Tóquio e Chicago

Em 2 de outubro de 2009, o Comitê Olímpico Internacional (COI), reunido em Copenhague, na Dinamarca, escolhe a cidade do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de Verão de 2016. A América do Sul é eleita pela primeira vez palco do maior evento esportivo do mundo, derrotando as candidaturas de Madri (Espanha), Tóquio (Japão) e Chicago (EUA).

O Brasil é a única das 10 maiores economias do mundo que nunca havia sido escolhida para sediar uma edição dos Jogos Olímpicos. Esta é a quarta tentativa do país, derrotado nas candidaturas para as Olimpíadas de 2000, 2004 e 2012. A candidatura do Rio de Janeiro venceu a de Madri na última rodada por 66 votos contra 32. As alternativas de Tóquio e Chicago foram descartadas nas votações anteriores.

O bom momento econômico vivido pelo Brasil em pleno período de crise mundial, as belezas naturais do Rio de Janeiro e o ineditismo da realização dos Jogos Olímpicos na América do Sul foram os destaques da campanha brasileira. Virtudes reconhecidas por veículos da imprensa internacional, como o jornal "The New York Times": “entre os postulantes, o Brasil é o menos atingido pela crise, com mais capacidade de absorver custos e transformá-los em geração de emprego e renda”.

A realização com sucesso dos Jogos Pan-Americanos de 2007 e a aliança entre a União, o governo estadual e a prefeitura do Rio, dividindo responsabilidades, são consideradas peças-chave no convencimento dos delegados pela escolha do Brasil para sediar as Olimpíadas de Verão de 2016. 

Os investimentos em obras de infraestrutura, mobilidade, sustentabilidade e arenas esportivas para a realização dos Jogos atingiriam o montante de R$ 38,2 bilhões no início de 2016, dos quais 43% de recursos públicos e 57% privados.