11 a 20 de janeiro

Rock faz a festa da redemocratização

Primeira edição do "Rock in Rio" reúne estrelas e celebra o fim da ditadura

O "Rock in Rio" surge em 1985 como o primeiro festival no Brasil a contar com artistas de grande renome nacional e internacional. Realizado em uma grande estrutura de 250 mil m², chamada de Cidade do Rock, o evento atraiu um público de 1,38 milhão de pessoas.

O festival refletia e estimulava o clima de esperança e expectativa da população, principalmente da juventude, graças ao processo de redemocratização vivido pelo país naquele momento.

A presença do pop rock nacional no circuito das rádios e gravadoras tinha estreita relação com a tendência dos novos artistas de unir o som de instrumentos amplificados e distorcidos com letras diretas e de cunho político. Era um importante estímulo para o imaginário daquela geração.

Discursos que encarnavam a esperança popular sobre a nova situação política do país foram marcantes em várias performances do "Rock in Rio". No dia 15 de janeiro, o Kid Abelha e os Abóboras Selvagens subiram ao palco anunciados como os artistas do “primeiro show da democracia brasileira”. Carregando uma bandeira nacional, provocaram gritos de “Brasil! Brasil!” em uma plateia de mais de 300 mil pessoas.

Organizações políticas marcaram presença no "Rock in Rio". Militantes do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8) distribuíram panfletos que ressaltavam a conexão entre o rock e seu potencial político de mudança: “O rock foi a forma que a juventude encontrou para botar para fora os seus sentimentos”;  e “Para os reacionários, o rock vinha ameaçar seus caducos e carcomidos preconceitos e valores”.