26 de abril

Teatro protesta contra a 'barbárie'

Grupos de teatro paulistas cobram política cultural não mercantilista

Grupos de teatro de São Paulo lançam o Manifesto da Arte Contra a Barbárie, um protesto contra o tratamento mercantilista que vinha sendo dado à arte e aos bens culturais no Brasil. Eles questionavam as leis de incentivo à cultura então existentes, às quais acusavam de ter um modelo extremamente mercadológico, que excluía obras voltadas para a reflexão e a crítica. 

A discriminação teria como origem a exigência de obtenção de uma cota de patrocínio da iniciativa privada para que grupos e projetos fossem enquadrados nas políticas de incentivo. As empresas, entretanto, não se interessavam por propostas críticas, inviabilizando os trabalhos.

Para escapar dos desígnios dos patrocinadores privados, o Movimento Arte Contra a Barbárie exigia uma participação maior do Estado no financiamento de projetos voltados para a pesquisa e que refletissem a realidade e a cultura nacionais. Os grupos lançaram mais duas edições do manifesto, em dezembro de 1999 e junho de 2000.