22 de fevereiro

UDN lança Eduardo Gomes à Presidência

Brigadeiro sai candidato antes mesmo da convocação das eleições

Na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Rio, um eclético grupo, que reúne intelectuais, dissidentes do Estado Novo, homens de negócios, socialistas e até ex-integrantes do PCB, funda a União Democrática Nacional (UDN), para dar abrigo à candidatura do brigadeiro Eduardo Gomes. É o “Partido do Brigadeiro”.

A partir daí, a candidatura oposicionista, lançada antes mesmo da edição do ato adicional que fixaria a data da eleição presidencial e asseguraria a liberdade de organização partidária, ganhou definitivamente as ruas. A figura do brigadeiro causaria um rebuliço no eleitorado feminino. “Vote no brigadeiro, que é bonito e solteiro” — diziam os slogans udenistas.

A fim de arrecadar fundos para a campanha, senhoras e moças vendiam, de porta em porta, docinhos de chocolate cobertos com chocolate granulado — o “doce do brigadeiro”, que, por causa disso, entraria definitivamente para a cultura culinária brasileira como brigadeiro.

Escolhido a dedo por suas “virtudes religiosas e cívicas” — um atrativo importante para o eleitorado de classe média —, o candidato udenista teria muitos trunfos para vencer as eleições: o apoio da elite econômica e a entusiasmada adesão de órgãos de imprensa. Além disso, seu maior adversário, o general Eurico Gaspar Dutra, do Partido Social Democrático (PSD), era identificado com o Estado Novo, ao qual servira como ministro da Guerra.

Eduardo Gomes tentou conquistar o apoio entusiasmado de senhoras e moças, que pela primeira vez na história votariam para presidente, com o slogan “Vote no brigadeiro, que é bonito e solteiro”. Seus defeitos, todavia, o derrotariam: não demonstrava nenhuma vocação política, nenhum carisma, nem aptidão para lidar com eleitores mais pobres. O eleitorado varguista não se sentiria atraído pelas virtudes do brigadeiro e reagiria muito mal à acusação de que ele dispensava os votos dos “marmiteiros”.

Na reta final, tombaria de vez, assim que Vargas declarou apoio à candidatura do candidato do PSD.