21 de abril

Para transformar e inovar, nasce a UnB

Inaugurada no DF, instituição é modelo para reestruturação do ensino superior

Exatamente dois anos após a inauguração da nova capital federal, é inaugurada a Universidade de Brasília (UnB), instituição de ensino superior que tem a ambição de ser tão inovadora no campo educacional quando a capital federal no ponto de vista urbanístico.

Todo o trabalho de articulação do novo modelo educacional foi feito por uma equipe de especialistas coordenada pelo antropólogo Darcy Ribeiro e pelo educador Anísio Teixeira, que tinham um objetivo maior do que a simples criação de um novo campus: pretendiam tornar a UnB um modelo para a reestruturação de todo o sistema universitário do país.

Nos anos que antecederam a inauguração, a proposta fora debatida por cientistas e intelectuais e se constituíra na “questão cultural mais séria, mais desafiante e mais empolgante que se colocou diante da intelectualidade do país”, segundo Darcy Ribeiro.

Na UnB, todos os estudantes cursariam um período básico de dois anos, ministrado nos institutos centrais, com disciplinas introdutórias em ciências, artes e humanidades. Somente depois desse período teriam uma formação profissional, da qual estavam encarregadas as faculdades especializadas. Os oito institutos centrais da UnB seriam também os responsáveis pela formação de pesquisadores, tanto em nível de graduação como de pós-graduação.

Toda essa inovação, no entanto, não duraria muito. Nove dias após o golpe de 1964, tropas do Exército e policiais invadiriam o campus da UnB. A ditadura afastaria vários professores, e, em solidariedade aos colegas, muitos outros se demitiriam. Tanto o projeto educacional de Darcy Ribeiro como o traçado da cidade universitária, elaborado por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, seriam desfigurados a partir de então.