8 de setembro

Vítimas da ditadura reabrem as feridas

No filme de Lucia Murat, ex-presas políticas falam de tortura e de dor

O filme “Que Bom Te Ver Viva” é lançado em momento de grande ebulição política, poucos meses antes das primeiras eleições diretas para presidente da República pós-ditadura. O documentário expõe as dificuldades de reintegração social de oito ex-presas políticas, vítimas de torturas. A diretora do filme, Lucia Murat, expõe o comportamento da sociedade, que evita olhar para trás e encarar de frente os anos terríveis do terrorismo de Estado.

Militantes de diversas organizações e origens políticas dão depoimentos, como Maria do Carmo Brito, Estrella Bohadana, Maria Luiza Rosa, Rosalinda Santa Cruz, Criméia de Almeida, Regina Toscano e Jessie Jane.  Os depoimentos são intercalados pela interpretação dramática da atriz Irene Ravache como alter ego da diretora, que também militou na resistência armada e foi torturada.